quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Etanol mais limpo...


Biocombustível mais limpo
Consórcio holandês Be-Basic pesquisa tecnologias para minimizar impactos ambientais causados pelas indústrias de biocombustíveis (Un.La Jolla)

Especiais

Biocombustível mais limpo

8/12/2010
Por Elton Alisson
Agência FAPESP – O processo de produção do etanol resulta atualmente em uma série de resíduos tóxicos que, caso sejam lançados no meio ambiente, podem causar graves impactos ecológicos. Mas, em um futuro próximo, por meio de novas tecnologias geradas em áreas como a biotecnologia e genômica, será possível eliminar ou transformar, nas próprias usinas de etanol, os poluentes emitidos.
A estimativa é de Bram Brouwer, professor associado da Universidade Livre de Amsterdã e cientista-chefe da Bio-base Ecologically Balanced Sustainable Industrial Chemistry (Be-Basic).
“Estamos aprendendo como as indústrias de biocombustíveis, de química fina e de novos materiais podem diminuir a geração de poluentes ou convertê-los em novos produtos. Mas são tecnologias que levarão pelo menos de cinco a dez anos para serem desenvolvidas”, disse no Workshop on Environmental, Social and Economic Impact of Biofuels, realizado em 25 de novembro pelo programa FAPESP de Pesquisa em Bionergia (BIOEN) e pelo Be-Basic.
O Be-Basic é um consórcio público-privado formado pelas principais universidades, instituições de pesquisa e indústrias holandesas e voltado para o desenvolvimento de novas tecnologias para produção de bioquímicos, biomaterias e biocombustíveis.
Uma das tecnologias que estão sendo estudadas no âmbito do Be-Basic é o desenvolvimento de biocatalisadores (aceleradores de reação biológicos), como microrganismos e enzimas.
O consórcio tem um programa totalmente voltado para a identificação de enzimas como a dealogenase, com potencial de eliminar poluentes recaciltrantes orgânicos – compostos que não são degradáveis ou levam muito tempo para serem degradados – no solo.
“Potencializando essas enzimas, será possível utilizá-las para eliminar tais poluentes do solo e melhorar processos como o de biorremediação”, afirmou Brouwer, referindo-se ao processo em que são utilizados microrganismos ou suas enzimas para degradar compostos poluentes e recuperar áreas contaminadas.
Outra linha de pesquisa do consórcio é o monitoramento dos impactos ambientais das substâncias químicas utilizadas por indústrias em seus processos industriais. Segundo Brouwer, entre as mais de 100 mil substâncias químicas utilizadas hoje em processos industriais ou em produtos finais, 98% nunca passaram por uma avaliação de segurança.
Conhecer melhor essas substâncias, de acordo com o cientista, envolveria a realização de inúmeros testes com animais, o que, além de ser muito oneroso, não seria aceitável do ponto de vista ético.
“Há um grande esforço em andamento para descobrir métodos alternativos ao uso de animais nas pesquisas. Hoje, temos cerca de seis novos testes em fase final de validação, mas o processo de aprovação é muito lento e pode levar até cinco anos”, disse.
Programa educacional
Para gerar e difundir as novas tecnologias geradas pela biotecnologia e a genômica e que podem ter aplicações no setor de biocombustíveis, de química fina e novos materiais, o Be-Basic instituiu um programa educacional, composto por cursos voltados para estudantes de graduação ao pós-doutorado e publicações para alunos do ensino médio.
“Pretendemos capacitar os cientistas a utilizar novas tecnologias e estimular estudantes de ensino médio a optar por carreiras relacionadas à biologia”, disse Janneke van Setters, coordenadora do programa.
Durante a visita ao Brasil para participar do evento realizado pelo BIOEN, os representantes do consórcio assinaram um memorando de entendimento com a FAPESP para o lançamento de futuras chamadas de propostas de projetos colaborativos de pesquisa entre pesquisadores de instituições públicas ou privadas no Estado de São Paulo e cientistas associados ao Be-Basic.
Os projetos de pesquisa devem colaborar para desenvolver competências científicas e tecnológicas, promover alianças estratégicas para o desenvolvimento científico e tecnológico, estimular a disseminação do conhecimento e gerar resultados que tenham potencial para aplicações com valor de mercado nas áreas de interesse da FAPESP e do Be-Basic.
Mais informações sobre o acordo entre FAPESP e Be-Basic: www.fapesp.br/acordos/bebasic 

obrigado pela visita

Related Posts with Thumbnails